A experiência deste profissional já rompeu os limites regionais, desenvolvendo importantes trabalhos com cafeicultura pelo Brasil

Experimento

AUMENTO DA PRODUÇÃO DE CAFEEIROS ADUBADOS COM ALTAS DOSES DE FÓSFORO NO SUL DE MINAS GERAIS

Ribeiro Filho, Guy Carvalho ; Guerra, Antonio Fernando ; Bartholo, Gabriel Ferreira ; Rocha, Omar Cruz ; Sanzonowicz, Cláudio

Com o objetivo de validar a tecnologia de ajuste nutricional de cafeeiros arábica gerada pela Embrapa, com apoio do Consórcio Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento do Café – CBPD/Café, em 2007 foram definidas as áreas de validação no Sul de Minas Gerais e iniciada a aplicação da tecnologia de adubação do cafeeiro em fase de adoção.

As ações de difusão e transferência de tecnologia inicialmente foram realizadas através de visitas técnicas para apresentação da tecnologia de aumento da adubação fosfatada a ser testada, e discussão com os produtores rurais e técnicos da extensão sobre os benefícios da mesma para o sistema de cultivo de café de sequeiro.

A dosagem anual preconizada foi de 300 kg de P2O5 por hectare parcelada em duas aplicações. A primeira parcela com 2/3 da dose anual foi aplicada em setembro/outubro, antecedendo as primeiras chuvas. A segunda parcela, correspondendo a 1/3 da dose anual, foi aplicada em janeiro/fevereiro estendendo em alguns casos até o mês de março.

No primeiro ano a primeira parcela foi com a fonte Superfosfato Simples sendo que em algumas unidades a segunda parcela foi com o Termofosfato Yoorin. A partir do segundo ano em todas unidades de validação prevaleceu como fonte de fósforo o Superfosfato Triplo e em uma o Tremofosfato Yoorin, entretanto em 2010 três unidades demonstrativas aplicaram o Superfosfato Triplo alternado com o Termofosfato Yoorin. Em outras três unidades houve associação de parte do fornecimento do fósforo através de material orgânico (compostagem de esterco de frango; galinha ou bovinos compalha de café). A produção total e a produtividade foram determinadas para cada unidade de validação, visando comparar os resultados obtidos nos anos anteriores (2003 a 2006) e posteriores (2008 a 2011) à utilização do tratamento preconizado. Considerando todas as propriedades, observou-se um aumento médio da produtividade de sete sc/ha-1 o que correspondeu em média a 20% de aumento na produção de café beneficiado. O maior crescimento e desenvolvimento observado para os cafeeiros submetidos a maiores doses de fósforo estão em consonância com os resultados obtidos a nível experimental.

Defende assim como Dr. Omar Rocha Embrapa, que o Fósforo foi por muito tempo negligenciado para a cultura do café. Elemento muito importante responsável pelo crescimento e produção. Na planta cumpre importantes funções de transporte e armazenamento de energia. No solo é disputado por outros elementos como: Alumínio, Ferro e Cálcio. Muitas fezes esta indisponível quando a planta mais precisa. Afirma que planta que precisa produzir e crescer tem de receber esse nutriente, mesmo se a analise de solo apresentar alguma reserva.

Reflexão sobre o uso do fósforo no cafeeiro: Há uma unanimidade entre os técnicos e produtores sobre a necessidade do elemento na formação do cafeeiro, aplicam no plantio mesmo com alguma reserva no solo. Quanto ao fornecimento a planta adulta ainda há discussão. Pergunta: Quando a planta deixa de ser jovem e para de responder ao elemento¿ O problema é da planta ou do sistema de produção.

Experimento

APRIMORAMENTO DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CAFÉ (COFFEA ARABICA L.) IRRIGADO DO CERRADO

Guerra, Antonio Fernando ; Rocha, Omar Cruz ; Rodrigues, Gustavo Costa ; Sanzonowicz, Cláudio ; Ribeiro, Guy Carvalho ; Toledo, Paulo Maurity dos Reis ; Ribeiro, Luiz Fábio

O objetivo desse trabalho foi apresentar os resultados da aplicação da tecnologia de estresse hídrico para uniformização de florada e maturação, gerada na pesquisa conduzida na Embrapa Cerrados, em áreas de produção de café certificadas do Oeste da Bahia e discutir as mudanças no sistema de produção de café irrigado do Cerrado.

As áreas de validação de tecnologia confirmaram os resultados de pesquisa. Em geral, os fatores positivos do estresse hídrico e racionalização da irrigação foram: aumento da produção de café cereja de aproximadamente 40% para 80%, melhor aproveitamento dos grãos da varrição que colhidos no seco apresentam melhor qualidade, melhoria da bebida, redução da produção de grãos defeituosos de 20% para 10%, redução de até 40% das operações e dos custos de colheita onde foi possível com duas passadas de colheitadeira e uma varrição retirar todo o café das lavouras e redução de até 53% da água e energia usada normalmente na irrigação.

Determinou-se a necessidade de ajustar a aplicação de fósforo para garantir o crescimento adequado de novos nós para a safra seguinte e, consequentemente, reduzir a bienalidade de produção das lavouras.

Experimento

A QUALIDADE COMO FATOR DE COMPETITIVIDADE PARA A CAFEICULTURA

Ribeiro, Guy de Carvalho

Não há consenso que investimentos em preparo visando melhoria na qualidade final do café, garantam aumento de lucro na atividade. Este fato é consequência de um longo período em que o Brasil se comportou tipicamente como o maior produtor, onde o café produzido deveria ser consumido pelo mercado, independe da sua preferência. Enquanto isso, outros países como a Colômbia investiram em qualidade e marketing, conseguindo uma maior valorização em relação ao café Brasileiro, considerado de uma qualidade única e baixa. Tudo isso refletindo diretamente sobre o cafeicultor Brasileiro que tem como padrão para comercialização o chamado "Duro para melhor", e toda uma tabela de defeitos e não de virtudes.

Na maior parte das vezes, o cafeicultor não consegue receber qualquer prêmio a mais, mesmo que o produto tenha qualidade superior. Esta verdadeira barreira de valorização do café Brasileiro inibe investimentos em melhoria de qualidade. Com a oportunidade do Projeto das Fazendas Modelo inseridas no Projeto Café Gourmet da OIC, avaliou-se o comportamento econômico em algumas fazendas que se adaptaram para a produção de café especiais. Sugestões para aperfeiçoamento no preparo, seguido de avaliação do impacto das transformações na qualidade, nos custos e na rentabilidade nortearam esse trabalho. As Fazendas Modelo investiram em estruturas de preparo; adaptação de metodologia; treinamento de pessoal e parcerias com exportadores especializados no mercado Gourmet de cafés de alta qualidade. Ao todo 10 Fazendas Modelo, com área em café variando de 3 a 175 Ha, assim distribuídas nas regiões produtoras do país:

  • Cinco no Sul de Minas: Areado; Santo Ant. Amparo; Monte Belo e 2 em Cabo Verde.
  • Duas no Cerrado Mineiro: Serra do Salitre e Patos de Mina
  • Duas na Mogiana Paulista: Pedregulho e Itatiba
  • Uma no Oeste Baiano: Barreiras

Como critério de escolha, caracterizou-se a disposição em investimentos para melhoria de qualidade do café produzido. O Projeto Café Gourmet limitou-se apenas a orientações de preparo e ao acompanhamento financeiro das atividades. Os custos das transformações foram arcados pelos participantes. Dentre as dez fazendas inicialmente selecionadas, apenas duas não conseguiram promover as transformações, tendo sido descartadas das análises.

A presença de grãos verdes foi a principal barreira encontrada nas diversas regiões para obtenção de cafés de bebida mole, livres de Duro, onde suas virtudes pudessem ser avaliadas. Para isso orientou-se a instalação de despolpadores e metodologia para a produção de Pulped Natural ( Cereja Descascado ).

Os resultados avaliados, ao final de dois anos, comparou-se a qualidade da bebida, a tecnologia de preparo, custos de produção e valor de venda do produto final. Chamou-se de ano 01, o anterior à modificações, e de ano 02, o seguinte à transformações e investimentos realizados. · Guy Carvalho Ribeiro Filho - Eng. Agr. - Consultor Técnico Projeto Café Gourmet / Projeto de Custos café - EMBRAPA

Experimento

FATORES DE COMPETITIVIDADE NA CAFEICULTURA, EM PROPRIEDADES SELECIONADAS, NO BRASIL

Teixeira, Sônia Milagres ; Ribeiro, Guy de Carvalho ; Milhomem, Alzirene de Vasconcelos ; Adami, Marcos ; Vegro, Celso Luís Rodrigues ; Molim, Marcos ; Bergoli, E. ; Costa, R. Della ; Felipe, M. ; Milhomem, Sylvéria de Vasconcelos

Este trabalho é parte do esforço realizado para avaliar sistemas de produção e custos na cafeicultura brasileira, neste estágio tendo completado avaliações dos aspectos gerais das propriedades, no processo de acompanhamento, para levantar custos de formação, manutenção, colheita e processamento do café, na propriedade.

A escolha das fazendas, assim como o acompanhamento e confecção dos formulários, ficaram a cargo dos entidades parceiras neste trabalho Emater-MG, Cetcaf-ES, Emcaper-ES, IEA-SP e Deral-PR.

Os dados de custo, ainda em fase de coleta e digitação, poderão ser apresentados, por ocasião do Simpósio. Análises conclusivas de competitividade serão possíveis, a partir da finalização dos levantamentos de colheita, com detalhamento da metodologia de fechamento da planilha. Neste estágio propõe-se apresentar e analisar a amostra de (83) cafeicultores acompanhados, suas características e principais fatores de competitividade.

Analisando-se neste estágio três conjuntos de informações colhidas e suas relações com produtividade, medida em área sob cultivo, nas propriedades cafeeiras estudadas:

I. Aspectos gerais da propriedade - informações sócio-econômicas relevantes;

II. Fatores fixos na propriedade - mão de obra; capital - giro e investimento; e patrimônio: máquinas, equipamentos e benfeitorias;

III. Aspectos de qualidade e competitividade na comercialização.

Trabalho apresentado no Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil (1.: 2000 : Poços de Caldas, MG). Resumos expandidos. Brasília, D.F. : Embrapa Café; Belo Horizonte : Minasplan, 2000. 2v. (1490p.) : il.

FONTES DE TODOS TRABALHOS PUBLICADOS - GUY CARVALHO RIBEIRO FILHO

FONTE: http://www.sbicafe.ufv.br/discover

Teses e Artigos

Atributos do solo e resposta do cafeeiro a regimes hídricos com e sem braquiária nas entrelinhas

Qualidade físico-hídrica de um Latossolo sob irrigação e braquiária em lavoura de café no cerrado.

Chemical and hydrophysical attributes of an Oxisol under coffee intercropped with brachiaria in the Cerrado

Controlled irrigation and nitrogen, phosphorous and potassium fertilization affect the biochemical composition and quality of Arabica coffee beans