08/04/2019

Combate às ervas daninhas resistentes ao Glifosato - Folhas largas

A associação de outro herbicida com o Glifosato para o controle das ervas daninhas resistentes é extremamente importante para o sucesso da aplicação

As perdas em produtividade nas lavouras sem o combate adequado às ervas daninhas podem ser muito grandes. Pode ocorrer competição entre elas e a lavoura cafeeira, com perdas significativas para o arbusto pela concorrência por luz e nutrientes, o que resulta até mesmo, em casos extremos, na morte das plantas de café. Outro problema identificado recentemente foi a contaminação por sementes dessas ervas em lotes de cafés beneficiados. Nesse contexto, o Glifosato é amplamente utilizado pra eliminação das ervas daninhas, porém apresenta baixa eficiência frente a algumas, devendo ser acrescentado na calda outro herbicida específico para eliminação das plantas resistentes a ele.

 

O Glifosato é um herbicida sistêmico de amplo espectro, não seletivo e pós-emergente, ou seja, age nas plantas após elas emergirem do solo. Efetivamente mata ou suprime vários tipos de plantas comuns nas lavouras de café, como caruru, picão preto e diversos capins.

 

As ervas daninhas, assim como todos os seres vivos, apresentam uma variabilidade genética natural, ou seja, dentro de uma mesma espécie há diferenças genéticas entre cada indivíduo. Com a aplicação dos herbicidas há uma seleção daqueles que são naturalmente resistentes, por isso algumas plantas não são suprimidas por eles. No caso do Glifosato isso ocorre especialmente com as ervas daninhas de folhas largas, como a corda de viola (Ipomoea acuminata), o marroio (Marrubium vulgare) e trapoeraba (Commelina benghalensis L.), e entre alguns capins, como o Capim-amargoso (Digitaria insularis), que falaremos mais em outro momento.

 

Para realizar o controle químico efetivo das plantas resistentes ao Glifosato é necessário que o produtor escolha outro herbicida compatível com ele para a aplicação, eliminando assim todas as ervas daninhas, principalmente nessa época que a colheita se aproxima. O Heat, da Basf, é especifico para controlar as ervas de folhas largas e possui uma efetividade alta para algumas delas, especialmente a corda de viola, o cipó babão e a trapoeraba, podendo ser utilizado com qualquer formulação de Glifosato existente no mercado. É importante destacar a necessidade de acrescentar o adjuvante adequado, o Dash.

 

Nas lavouras que acompanho, os resultados da aplicação do Heat associado ao Glifosato têm tido extremamente interessantes, com excelente controle das ervas daninhas, tanto as gramíneas como as de folhas largas.

 

Dica: Seguir as recomendações técnicas e as indicações das bulas e rótulos. A lavagem adequada do equipamento de pulverização após o uso é extremamente importante após a utilização de qualquer produto.

 

Sobre soluções BASF, baixe o aplicativo gratuito - Basf Agro.

 

Para saber mais sobre o tema, acesse os vídeos do Canal Papo de Cafeicultor no Youtube:

 

Controle de ervas resistentes - folhas largas e corda de viola no cafeeiro

Combate a ervas resistentes ao Glifosato

Autor: Guy Carvalho e Carol Silvério
Fonte:
tags: #ErvasDaninhas #Glifosato #Herbicida #CafésEspeciais