15/04/2019

Fazendas Caxambu e Aracaçu: produzindo um café legítimo, único e com identidade própria

Nossas homenageadas do mês são as Fazendas Caxambu e Aracaçu, que não medem esforços para garantir uma produção agroecológica de cafés especiais únicos

As Fazendas Caxambu e Aracaçu estão localizadas entre as montanhas do município de Três Pontas, no Sul de Minas Gerais. Com altitudes entre 930 e 1.150 metros, as duas fazendas em conjunto formam um complexo de 380 hectares de terras, produzindo 9.500 sacas de café anualmente que atendem à demanda dos mais exigentes mercados e consumidores do mundo. A Fazenda Caxambu possui ao todo 211 hectares, sendo 120 deles em lavouras de café, mais de 60 de reserva legal e áreas de preservação permanente (APP) e uma área de quase 10 hectares em estruturas para beneficiamento e preparo de café. Já a Fazenda Aracaçu possui um total de 170 hectares, sendo 115 deles em plantações cafeeiras e 45 hectares de reserva e áreas de preservação permanente, além de ser um verdadeiro berçário de nascentes que são preservadas com respeito e responsabilidade.




 

A história das Fazendas começou há mais de cem anos. Inicialmente, a Fazenda Caxambu foi recebida como herança por Ivone, que na época já era casada com Francisco José. Os dois começaram então a vida em meio às lavouras de café e produção de leite. Em pouco tempo adquiriram a Fazenda Aracaçu, que era propriedade de uma irmã de Ivone. Atualmente, a terceira geração da família está à frente do processo de gestão das Fazendas, já com quinta sendo preparada para assumir, no futuro, os negócios da família, que tem o café como responsável por todo o seu desenvolvimento.

 

Nas Fazendas, todas as atividades são realizadas dentro de um sistema integrado de produção agroecológica, prezando sempre por um enfoque sistêmico que cuide e zele pelo equilíbrio com o meio ambiente, possuindo as importantes certificações UTZ, BSCA, Certifica Minas, 4C, Fairtrade e Rainforest. Esse enfoque é realizado no manejo das lavouras, privilegiando a conservação ambiental e a biodiversidade em paralelo à cultura do café, considerando e respeitando os ciclos biológicos e zelando também pela qualidade de vida dos colaboradores.

 

Inovam e ampliam sempre seu portfólio de ofertas através de novas técnicas, formas de preparo, diversificação de tecnologias e materiais genéticos, além de processos de fermentação controlada e selvagem para obter uma maior amplitude sensorial, oferecendo assim diversos e diferenciados cafés, como o Hidro-Honey, Afro-Honey, Black-Honey, entre outros. Possui um banco com mais de 40 variedades testadas com foco de resistência a ferrugem e qualidade do café.  

 

O trabalho que desenvolvo busca integrar inovações tecnológicas em sistema de produção já consagrado por excelentes produtividades, o que torna o desafio ainda mais especial. Técnicas como podas e desbrotas, alinhamento de plantio, utilização da braquiária como planta de cobertura, dosagem adequada de fósforo nas adubações e uso do fertilizante organomineral foram inicialmente testadas e aprovadas nas Fazendas, servindo de modelo para outros cafeicultores da região.



A gestão das Fazendas é realizada por Ucha e Nando, enquanto o Marquinhos fica responsável por coordenar uma equipe de colaboradores muito dedicada e eficiente. As estratégias são sempre amplamente discutidas, as ações realizadas dentro de um rígido cronograma e as decisões tomadas com foco em apresentar aos clientes um produto diferenciado e único, independentemente de aumento nos custos da produção.   

 

Agradeço à família Fazendas Caxambu e Aracaçu, que tanto confiam e apoiam o meu trabalho.

Autor: Guy Carvalho e Carol Silvério
Fonte:
tags: #Assistidos #Homenageado #CafésEspeciais