Monitoramento da broca-do-café dentro dos programas de MIP

25.01.2022 Autor: Grazielle Furtado Moreira Fonte: Grazielle Furtado Moreira
É hora de cuidar da broca! Confira neste conteúdo como fazer e utilizar as armadilhas para o seu monitoramento.

A broca-do-café, Hypothenemus hampei, é uma das principais pragas do cafeeiro por causar danos diretos ao fruto, reduzindo sua qualidade e também a produção. Seu monitoramento deve ser iniciado cerca de 80 a 90 dias após a maior florada, avaliando a porcentagem de frutos brocados por talhão, considerando a análise de 10 a 25 pontos por talhão (o tamanho do talhão interfere na escolha do número de pontos amostrais) e de ao menos 625 frutos por talhão, com caminhamento em zigue-zague.

O uso de armadilhas também pode ser utilizado para o monitoramento da broca-do-café conforme orientações da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil e do Consórcio Pesquisa Café, na cartilha “12 fatos importantes sobre o manejo integrado da broca-do-café (Hypothenemus hampei). No entanto, o número indicado de uma armadilha por hectare pode se tornar dispendioso para os produtores, principalmente pela implantação, reposição de atrativo/água + detergente e avaliação. Porém, as armadilhas se bem distribuídas nas propriedades, são mais um indicativo da presença da broca que pode não ser acusada durante o monitoramento padrão, principalmente para os períodos de transição desse inseto, ou seja, quando ele deixa os frutos que permaneceram da safra passada no chão ou na própria planta, para atacar os novos frutos.

A sugestão é o uso de 1 a 5 armadilhas por talhão e esse número dependerá do tamanho do talhão. Elas devem ser colocadas considerando meio e bordas das lavouras. Utilizar um mapa da propriedade para considerar todos os talhões vizinhos ajuda na decisão dos locais de distribuição das armadilhas (Figura 1).

 Figura 1.  Exemplo de distribuição de armadilhas em talhões vizinhos. Note a presença de armadilhas nas bordas e meios do talhão.

A confecção das armadilhas é fácil e não requer muito investimento. Ela pode ser feita com garrafa pet de 2 litros, com um corte retangular ao centro (8x12 cm) e pintada de vermelho com tinta spray encontrada em lojas de material de construção (Figura 2).

 Figura 2. Preparo da armadilha com garrafa pet

Após a confecção das armadilhas, o atrativo deve ser preparado. Esse atrativo por imitar a substâncias liberadas pelo fruto à medida que ele vai amadurecendo é chamado de cairomônio e beneficia o receptor (broca). O atrativo é preparado com uma mistura de metanol e etanol na proporção de 3:1 e uma colher de sopa de pó de café. Caso seja preparado um litro devemos colocar 750 mL de metanol, 250 mL de etanol e 10 g de pó de café (Figura 3). É interessante que esse material seja preparado de 7 a 15 dias antes do uso, embora também possa ser utilizado logo que preparado. Etanol e metanol podem ser encontrados em lojas que vendem reagentes para laboratório. Durante o preparo do atrativo devem ser utilizadas máscara (PFF1 ou PFF2) e luvas. O atrativo pode ser colocado em tubos Eppendorf de 2,5 ou 5 mL, que são facilmente encontrados em sites na internet com um baixo custo ou qualquer outro frasco pequeno disponível na propriedade. Esses frascos devem ser perfurados na parte superior para liberar o atrativo.